domingo, dezembro 30, 2007

Quando o passado se faz futuro...

A HERANÇA
Mario Prata

"Ouve só. A gente esvaziando a casa da tia neste carnaval. Móveis, roupas de cama, louças, quadros, livros. Aquela confusão, quando ouço dois dos meus filhos me chamarem:
- Mãe!
- Faaala.
- A gente achou uma coisa incrível. Se ninguém quiser, pode ficar para a gente? Hein?
- Depende. Que é?
Os dois falavam juntos, animadíssimos:
- Ééé... uma máquina, mãe. É só uma máquina, velha, meio meio velha, sabe? É, mas funciona, está ótima!
Minha filha interrompeu o irmão mais novo, dando uma explicação melhor:
- Deixa que eu falo: é assim, mãe, oh
- é uma máquina, tipo um... teclado de computador, sabe... só o teclado?
- Só o lugar que escreve?
- Sei.
- Então. Essa máquina tem assim, tipo... uma impressora, ligada nesse teclado, mas assim, ligada mesmo, direto, sem fio. Bem, a gente vai, digita, digita...
Ela ia se animando, os olhos brilhando
- ... e a máquina imprime direto na folha de papel que a gente coloca ali mesmo! É muuuito legal! Direto, na mesma hora, eu juro!
Eu não sabia o que falar. Eu juro que não sabia o que falar diante de uma explicação dessas, de menina de 12 anos, sobre uma máquina de escrever. Era isso mesmo?
- ...entendeu mãe? ..zupt, a gente escreve e imprime, a gente até vê a impressão tipo na hora, e não precisa essa coisa chata de entrar no computador, ligar, esperar hóóóras, entrar no word, de escrever olhando na tela, mandar para a impressora, esse monte de máquina, de ter que ter até estabilizador, comprar cartucho caro, de nada, mãe! É muuuito legal, e nem precisa de colocar na tomada! Funciona sem energia e escreve direto na folha da impressora!
- Nossa, filha...
- ... só tem duas coisas: não dá para trocar a fonte, nem aumentar a letra, mas não tem problema. Vem, que a gente vai te mostrar. Vem...
Eu parei e olhei, pasma, a máquina velha. Eles davam pulinhos de alegria.
- Mãe. Será que alguém da família vai querer? Hein? Ah, a gente vai ficar torcendo, torcendo para ninguém querer para a gente poder levar lá para casa, isso éo máximo! O máximo!
Bem, enquanto estou aqui, neste "teclado", estou ouvindo o plec-plec a tal máquina, que, claro, ninguém da família quis, mas que aqui em casa ah! deu até briga, de tanto que já foi usada.
Está no meio da sala de estar, em lugar nobre, rodeada de folhas e folhas de textos "impressos na hora" por eles.
Incrível, eles dizem, plec-plec-plec, muito legal, plec-plec-plec. Eu e o Zé estamos até pensando em comprar outras, uma para cada filho."

Marcadores: ,

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home